Principais exames indicados para os idosos

Para quem está perto ou já chegou aos 60 anos, alguns exames tornam-se ainda mais importantes
Principais exames indicados para os idosos

A população brasileira está envelhecendo. Segundo dados da última pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2012, os idosos – pessoas com mais de 60 anos – somam 23,5 milhões de brasileiros. Na comparação entre 2009 (última pesquisa divulgada) e 2011, o percentual de idosos aumentou 7,6%, ou seja, mais 1,8 milhão de pessoas. No total, já são mais de 20 milhões de brasileiros com mais de 65 anos e a previsão é que esse crescimento se acelere. Porém, com o avançar da idade, aumentam também os riscos de desenvolver várias doenças. Por isso, é necessário redobrar os cuidados para viver esse período com muita saúde.

 

Para quem está perto ou já chegou aos 60 anos, alguns exames tornam-se ainda mais importantes para conferir o estado geral do organismo e detectar precocemente doenças que ainda não se manifestaram. E, em muitos casos, quanto mais cedo forem diagnosticadas, maiores as chances de cura ou controle.
Algumas medidas gerais para a prevenção de doenças nessa idade são: ter um médico de confiança, a quem deverá levar todos os possíveis problemas de saúde; tomar as vacinas indicadas para a idade; aferir a pressão arterial periodicamente e usar camisinha para a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

 

Exames de sangue

– A dosagem da glicose pode identificar precocemente uma eventual tendência a apresentar diabetes.

 

– TSH, o hormônio que controla a tireoide. Recomenda-se que seja realizado, pelo menos, a cada cinco anos após os 35 anos, por ser a partir dessa idade que aumenta a tendência ao hipotireoidismo. Após os 60 anos, torna-se ainda mais importante.

 

– O hemograma avalia se há anemia, o que leva o médico a solicitar outros exames para identificar a causa.

 

– Dosagem da creatinina com a estimativa da filtração glomerular fornece um bom indicador sobre o funcionamento normal dos rins, identificando precocemente alguma diminuição de função.

 

– Perfil lipídico e Proteína C reativa (PCR): avaliam as alterações do perfil lipídico (gorduras no sangue), que provocam as doenças cardiovasculares (DCV).

 

– Avaliação das enzimas do fígado (TGO, TGP, gama GT etc.)

 

– PSA: indicado nos homens com mais de 45 anos, como complemento do toque retal realizado pelo médico, para a identificação precoce do câncer de próstata.

 

Exames de fezes

– A pesquisa de sangue oculto poderá ser solicitada pelo médico, especialmente se houver anemia e alterações intestinais. Conforme a indicação do médico, o exame parasitológico de fezes poderá ser pedido.

 

Outros exames

– Mamografia – o exame é indicado a partir dos 35 anos ou dos 30 em mulheres com casos de câncer de mama na família. Ele deve ser realizado a cada cinco anos até os 70 anos.

 

– Densitometria óssea –  deve ser feito tanto por homens quanto por mulheres após os 65 anos. Para elas, deverá ser feita até antes, após a menopausa, caso haja fatores de risco para fraturas. A finalidade é detectar se há osteoporose e maior tendência a fraturas  espontâneas ou de quedas, que são mais frequentes nessa faixa etária.

 

– Colonoscopia – é recomendada a partir dos 50 anos. Pacientes com casos de câncer na família devem repetir o exame de cinco em cinco anos; os demais devem repeti-lo a cada 10 anos. O objetivo é rastrear câncer colorretal

 

– Radiografia de tórax – solicitada especialmente para quem é fumante, a fim de avaliar os pulmões. O médico consegue rastrear câncer nesses órgãos, se houver alguma imagem anormal.

 

– Eletrocardiograma – geralmente solicitado quando o paciente começa a se consultar com o geriatra. Assim, o médico terá exames para comparação se houver alteração no futuro.

 

– Exames ginecológicos – papanicolau e exame de toque devem fazer parte da lista desde a juventude, mesmo para quem não tem mais vida sexual ativa. Ele detecta precocemente o câncer de colo de útero e algumas infecções.
– Toque retal – apesar de ainda ser temido por muitos homens, esse exame detecta anomalias importantes na próstata, como câncer.